domingo, 3 de março de 2013

Palavras ocas



            Ele que caminhava com roupas em farrapos por calçadas que não recorda, por vielas que não lembra, por caminhos que nunca antes vira, ele que conquistado por algo que o arrasta para lá da linha da sanidade perde-se em sinapses do que outrora foi, com o que é suposto ser e nada mais o acompanha que o eco eterno dos seus passos, uma ampulheta que gira, um sol que pousa, um mundo que adormece quando ele regressa a si próprio perdido na outra fonte de um seu mundo, caminha sem paragens com um objectivo em mente, com um propósito avança com os pés nus a roçarem a pedra fria na noite, salta portões outrora abertos, bate a portas outrora sem tranca para encontra-la, ele de corpo feito num oito de mente fragmentada em farrapos desvairados que unos fazem ainda menos sentido que em partes soltas que esvoaçam ao vento, ele sente seu abraço enquanto acalma, ele sente o seu abraço e as dores que nasciam da cada junção do corpo acalmam, cai de cansaço e ela segue-o, sem resistir ele suplica-lhe,
            - nunca saias do meu lado,
            - prometo, - ele sorri, ele adormece porque ela estaria ali amanha, porque ela estaria ali até ao fim,
            o mundo continua a rodar e alguém lhe diz que o real é imaginário e o imaginário é real, que o meta é físico e o físico é meta, o embate deixa-o confuso, sem controlo no corpo, sem controlo na mente que esvoaça como se tomada por vendavais exóticos, pedaços soltos de pensamento que se juntam a outros com quem nunca tinham copulado, que não conhecem, ainda assim face a pecados indescritíveis ela diz-lhe,
            - ficarei, - e ficou, dormiu, ajudou-o a encontrar um bom porto onde largar âncora,
            mas o tempo roda e nada se mantêm a não ser a mediocridade da condição humana, agora não é ele que o diz, sou eu, com um eco em voz feminina,
            - pronto está dito, - e foi-se desvanece-se da memória, (e ele também se desvanece?,) uma parte, uma pequena parte, assim como ela um dia se desvanecerá da memória.





*Sem acordo.



Cumprimentos,
NR

Sem comentários: